Categoria: Saude

Dicas para viver uma vida mais saudável

Dicas para viver uma vida mais saudável

Este artigo está disponível para download como um e-book gratuito em PDF. Clique no botão abaixo para baixar meu ebook gratuito.

BAIXE O EBOOK GRATUITO AQUI
Frutas
(Imagem: ElenaGaak)

Quão saudável você é? Você tem uma dieta saudável? Você se exercita regularmente? Você bebe pelo menos oito copos de água por dia? Você dorme o suficiente todos os dias? Você vive um estilo de vida saudável?

Nosso corpo é nosso templo e precisamos cuidar disso. Você sabe que mais de 70% dos americanos são obesos ou estão acima do peso? [1] Isso é loucura! Pense em seu corpo como sua concha física para levá-lo pela vida. Se você o abusar repetidamente, sua casca se desgastará rapidamente.

A vida é linda e você não quer se atolar com problemas de saúde desnecessários. Hoje, seus órgãos vitais podem estar funcionando bem, mas podem não ser amanhã. Não tome sua saúde como garantida. Tome cuidado adequado do seu corpo.

Boa saúde não é apenas uma alimentação saudável e um exercício físico – também é uma atitude positiva, uma auto-imagem positiva e um estilo de vida saudável. Neste artigo, compartilho 45 dicas para viver uma vida mais saudável. Marque este post e salve as dicas, porque elas serão vitais para uma vida mais saudável. 🙂

Beba mais água. A maioria de nós não bebe água suficiente todos os dias. A água é essencial para o funcionamento de nossos corpos. Você sabe que mais de 60% do nosso corpo é feito de água? A água é necessária para realizar funções do corpo, remover resíduos e transportar nutrientes e oxigênio ao redor do corpo. Como perdemos água diariamente através da urina, evacuações, transpiração e respiração, precisamos reabastecer nossa ingestão de água.
agua
(Imagem: Andrey Armyagov)

Além disso, a água potável ajuda a perder peso. Um estudo da Health.com realizado entre pessoas com sobrepeso ou obesas mostrou que os bebedores de água perdem 4,5 quilos a mais do que um grupo controle! Os pesquisadores acreditam que é porque beber mais água ajuda a encher seu estômago, deixando você com menos fome e menos propenso a comer demais.

A quantidade de água que precisamos depende de vários fatores, como umidade, atividade física e peso, mas geralmente precisamos de 2,7 a 3,7 litros de água por dia. [2] Como a ingestão de alimentos contribui com cerca de 20% da nossa ingestão de líquidos, isso significa que precisamos beber cerca de 2,0-3,0 litros de água ou cerca de 8-10 copos (agora você sabe como surgiu a recomendação de 8 copos!). Uma maneira de saber se você está hidratado – sua urina deve estar levemente amarela. Se não é, como amarelo escuro ou laranja, você não está recebendo água suficiente! Outros sinais incluem lábios secos, boca seca e pouca micção. Vá beber um pouco de água antes de continuar este artigo!

Durma o suficiente. Quando você não descansa bem, você compensa comendo mais. Normalmente, é junk food. Descanse bastante e você não precisa fazer um lanche para ficar acordado. Além disso, a falta de sono causa envelhecimento prematuro e você não quer isso! Leia: Ter insônia? Como Conseguir uma Noite Perfeita de Sono
Meditar. Meditação acalma sua mente e acalma sua alma. Se você não sabe meditar, não se preocupe. Aprenda a meditar em 5 passos simples.
Meditação no campo
(Imagem: LuckyImages)

Exercício. Movimento é vida. A pesquisa mostrou que o exercício diário traz benefícios tremendos para a nossa saúde, incluindo um aumento no tempo de vida, redução do risco de doenças, maior densidade óssea e perda de peso. Aumente a atividade em sua vida. Escolha andar sobre o transporte para distâncias próximas. Suba as escadas em vez de pegar o elevador. Participe de uma aula de aeróbica ou de uma aula de dança. Escolha um esporte do seu agrado (veja dica 5).
Escolha exercícios que você goste. Quando você gosta de um esporte, você naturalmente quer fazer isso. O exercício não é sobre sofrer e se pressionar; é sobre ser saudável e se divertir ao mesmo tempo. Adicionando variação em seus exercícios irá mantê-los interessantes. Que exercícios você gosta e como você pode incluí-los em sua rotina?
Exercite diferentes partes do seu corpo. Não faça apenas cardio (como correr). Dê ao seu corpo um bom treino. A maneira mais fácil é praticar esportes, já que eles trabalham em diferentes grupos musculares. Atividades populares, onde você pode obter um bom treino do corpo são trekking, caminhadas, natação, basquete, tênis, squash, badminton, yoga e frisbee.
Coma frutas. Frutas têm uma carga de vitaminas e minerais. Você sabia que as laranjas oferecem mais benefícios à saúde do que as pílulas de vitamina C? Tanto quanto possível, consuma suas vitaminas e minerais através de sua dieta e não através de pílulas. Eu como uma variedade de frutas todas as manhãs e eles me energizam. Satisfaça o seu paladar com estes frutos nutritivos: Banana, Papaia, Kiwi, Morangos, Mirtilos, Amoras, Framboesas, Melancia, Melancia, Melão, Pêssego, Maçã, Toranja, Pomelo, Manga, Laranja.

Leia também: White Max funciona
Frutas
(Imagem: ElenaGaak)

E por fim,coma vegetais. Legumes são a fonte de muitos nutrientes e minerais, como folato, vitamina K, ácido fólico, vitamina A, manganês e potássio, para não mencionar a fibra alimentar, que é importante para uma boa saúde intestinal

Fonte: https://www.valpopular.com/white-max-funciona/

Dermodex Tratamento e Dermodex Prevent: Assaduras

Dermodex Tratamento e Dermodex Prevent: Assaduras

Dermodex Prevent previne assaduras no bebê, enquanto Dermodex Tratamento trata assaduras já presentes e infecções fúngicas, inclusive candidíase na pele e nas unhas.

A diferença entre Dermodex Prevent e Dermodex Tratamento é justamente essa: enquanto a Prevent previne as assaduras e pode ser utilizada todos os dias, a outra é destinada ao tratamento das assaduras já presentes.

Embora a bula de Dermodex Tratamento indique o uso diário da pomada, os pediatras recomendam o uso apenas por poucos dias até a cura das assaduras.

Leia também: Hipoglós reclamações

1 Indicações
2 Como Usar/Posologia
3 Contraindicações
4 Efeitos Colaterais
5 Gravidez e Lactação
6 Composição
7 Preço
8 Qual é o genérico de Dermodex?
9 Qual é a Melhor? Dermodex ou Bepantol?
10 Dermodex Prevent é boa?
10.1 Pode te interessar:
Indicações
Outras indicações de Dermodex Tratamento incluem:

Intertrigos (infecção fúngica da pele nas áreas de atrito);
Paroníquias (infecção por fungos ao redor das unhas);
Candidíase na pele e nas unhas.
Leia também:

Bepantol Pomada e Bepantol Baby: Para que Serve?
Bepantol Derma – Para que Serve?
Como Usar/Posologia
Dermodex Tratamento:

Você deve lavar e secar suavemente a pele do bebê após o banho e a cada troca de fraldas e aplicar uma camada de Dermodex Tratamento;
Em caso de infecções fúngicas, deve-se aplicar uma camada da pomada 2 ou mais vezes ao dia no local afetado.
Dermodex Prevent:

Aplique uma fina camada de Dermodex Prevent na pele limpa e seca do bebê após o banho e a cada troca de fraldas.
Contraindicações
O uso de Dermodex Tratamento e Dermodex Prevent é contraindicado em casos de alergia aos componentes da fórmula das pomadas.

Efeitos Colaterais
Dermodex costuma ser bem tolerada. Seu uso pode causar irritação da pele, mas raramente.

Gravidez e Lactação
Dermodex só deve ser utilizada durante a gravidez e lactação sob prescrição médica.

Composição
Dermodex Tratamento é composta de nistatina e óxido de zinco;
Dermodex Prevent possui vitamina A, vitamina D e óxido de zinco em sua formulação.
Laboratório: Bristol.

Preço
O preço de Dermodex Tratamento varia de R$ 40 a R$ 60. O preço de Dermodex Prevent varia de R$ 10 a R$ 30.

Qual é o genérico de Dermodex?
O genérico de Dermodex Tratamento é a Nistatina + Óxido de Zinco, que custa em torno de R$ 15.

Qual é a Melhor? Dermodex ou Bepantol?
Bepantol Baby é considerada, em muitas resenhas, melhor e mais completa que a Dermodex, pois trata e previne, ao mesmo tempo, as assaduras do bebê, enquanto a Dermodex possui uma versão destinada a cada caso, uma para prevenção e outra para tratamento.

Dermodex Prevent é boa?
A Dermodex Prevent é boa e eficaz na prevenção de assaduras causadas pelo contato da fralda com a pele do bebê. No entanto, a pomada não serve para tratar assaduras já existentes.

Remédios para cólica menstrual

Remédios para cólica menstrual

Os remédios para cólica menstrual servem tanto para aliviar o desconforto abdominal provocados pela descamação do endométrio e contração do útero, quanto para prevenir a ocorrência de cólicas fortes no período menstrual.

Normalmente são aconselhados, pelos ginecologistas, medicamentos que diminuem a síntese da prostaglandina, que é uma substância química sintetizada pelo organismo que é responsável pelas dores da menstruação. Os medicamentos que podem ser usados para esse efeito são o Ibuprofeno e o Ponstan, por exemplo.

Além disso, alguns chás possuem princípios analgésicos antiespasmódicos, podendo auxiliar no alívio das dores, como o chá de lavanda e o chá de gengibre. Veja 7 remédios caseiros para cólica menstrual.

Remédios mais indicados
Os medicamentos mais indicados para alívio das dores sentidas durante a menstruação são:

Remédios anti-inflamatórios não esteroides: como Ibuprofeno, Feldene, Pontin ou Ponstan;
Remédios analgésicos: como Paracetamol ou Dipirona;
Remédios antiespasmódicos: Doralgina, Buscopan ou Atroveran;
Remédios anticoncepcionais.
Esses remédios também podem ser utilizados para combater o sintomas da TPM, como irritabilidade, cansaço e inchaço abdominal. Saiba quais são os sintomas da TPM e como aliviar.

Leia também: Atroveran composto

Como tomar
Os remédios para cólica devem ser utilizados sob orientação do ginecologista ou do clínico geral e ser ingeridos, de preferência, depois das refeições, a fim de evitar problemas de estômago.

Além disso, as mulheres devem fazer exercício físico regularmente e comer alimentos ricos em vitaminas do complexo B, como nozes, batata e frango para prevenir a ocorrência de cólicas fortes.

Por que sentimos cólica menstrual? Ginecologistas explicam

Todo mês é a mesma história: TPM, alterações de humor, vontade de atacar a geladeira e… cólica, muita cólica. Segundo um estudo realizado pela empresa MedInsight, denominado Dismenorreia e Absenteísmo no Brasil, cerca de 65% das brasileiras sofrem com o desconforto e 70% delas observam uma queda na produtividade durante a menstruação.

Os ginecologistas Edilson Ogeda, do Hospital Samaritano, Cíntia Pereira, da Rede de Hospitais São Camilo, e Eduardo Vieira da Motta, do Hospital Sírio-Libanês, explicam por que o problema é tão comum e ensinam como amenizar a dor:

A cólica menstrual, chamada cientificamente de dismenorreia, tem início com os ciclos menstruais ovulatórios, por volta de dois anos após a primeira menstruação. Durante o período fértil –fase do mês em que a mulher está ovulando e que dura cerca de seis dias– há a liberação de prostaglandina, substância que promove a contração do útero para a eliminação do sangue menstrual. Isso pode ocasionar desde um desconforto leve na região pélvica ou no baixo ventre até dores intensas, que chegam a ser incapacitantes.

Leia também: remédio para Cólica menstrual

As cólicas costumam ser mais intensas na adolescência, especialmente nos primeiros anos após o início da menstruação. Essa é a época em que os ovários amadurecem e passam a liberar um óvulo por mês. O útero ainda é pequeno e o orifício de saída, mais fechado. Na fase adulta, a cólica pode ser mais forte em algumas mulheres por usarem absorventes intravaginais, que atrapalham a contração uterina, ou por terem sensibilidade à prostaglandina, problema que não tem causa aparente. Após a primeira gravidez, há chances de a intensidade da dor diminuir devido a alterações na musculatura do útero.

A cólica geralmente tende a melhorar com o passar do tempo. Se piorar e se tornar persistente, pode ser indício de uma doença mais séria, como pólipos, mioma uterino, e, a mais comum, endometriose. De acordo com um levantamento realizado pela Fundação Mundial de Pesquisas em Endometriose em dez países, existe um tempo médio de sete anos entre os primeiros relatos dos sintomas, como pontadas no ventre e dificuldade para engravidar, e a confirmação da disfunção. Portanto, é fundamental buscar auxílio médico ao perceber os primeiros sinais para esclarecer a causa do problema e descobrir o melhor tratamento.

Se a cólica estiver relacionada a alguma doença, o tratamento dependerá de suas particularidades. Caso um problema mais grave tenha sido descartado, o alívio pode ser obtido por meio de medicamentos anti-inflamatórios não hormonais, contraceptivos hormonais, dispositivos intrauterinos ou até mesmo medicamentos hormonais, que podem levar a mulher a ficar sem menstruar. A melhor opção para cada caso deve ser avaliada pelo seu ginecologista. Lembre-se: a automedicação pode oferecer riscos à saúde e não deve ser praticada. Tratamentos não medicamentosos, como compressas de água quente, massagem e acupuntura, também auxiliam no combate à dor. Odega explica que a aplicação de agulhas estimula a produção de serotonina e endorfina, neurotransmissores que aumentam a sensação de bem-estar. Já o calor da compressa provoca a dilatação dos vasos sanguíneos, atenuando a dor.

O mais eficaz é praticar atividades físicas ou fisioterapia regularmente para fortalecer a musculatura do baixo ventre, aumentar a produção de endorfina e reduzir o fluxo menstrual e os processos inflamatórios. Investir em uma dieta rica em fibras e vegetais, vitaminas B1, B6 e E, além de gorduras boas proveniente dos peixes, é outro hábito que contribui para a redução do desconforto. No período pré-menstrual, é aconselhável tomar bastante líquido e evitar a ingestão de café, chocolate e refrigerantes à base de cola –eles contêm cafeína, substância que contrai os vasos do endométrio, aumentando o mal-estar.