Remédios para emagrecer: eles são indicados para crianças?

Remédios para emagrecer: eles são indicados para crianças?

A obesidade é uma doença que atinge pessoas em todo o mundo e pode ocasionar problemas secundários, como doenças cardiovasculares, hipertensão, diabetes e distúrbios do sono. Uma das alternativas para combater esse mal é o tratamento à base de remédios para emagrecer.

Entre os adultos é comum ouvirmos falar sobre a ingestão dessas substâncias, porém, quando o assunto é o tratamento da obesidade infantil, ainda há dúvidas se também podem ser utilizados medicamentos.

Neste post vamos esclarecer esse assunto e explicar se o uso de remédios para emagrecer é ou não indicado na infância e adolescência. Também vamos apresentar medidas preventivas e formas mais saudáveis de combater esse mal na população mais jovem. Acompanhe.

A obesidade entre crianças e adolescentes
A alimentação do ser humano mudou muito ao longo dos anos. Hoje, opções mais rápidas e práticas, como fast food, comidas industrializadas e congeladas fazem parte do cardápio da maioria da população.

Embora saborosos, esses tipos de alimento não contêm os nutrientes que o organismo precisa e ainda trazem em sua composição substâncias que afetam negativamente a saúde, como gorduras saturadas, sódio, conservantes, açúcares, entre outros.

O consumo desses alimentos, aliado ainda a outros maus hábitos e ao sedentarismo, faz com que tanto adultos como crianças apresentem um aumento do peso corporal e tenham que lidar com as consequências do excesso de gordura.

O grande problema não é o comprometimento estético, mas a saúde dessas pessoas, já que a obesidade prejudica as funções orgânicas mais básicas e aumenta o risco de hipertensão, diabetes mellitus, artrose e até câncer.

Os dados sobre a obesidade infantil são preocupantes e mostram a importância de cuidar das crianças. Segundo o estudo do Imperial College de Londres e da OMS (Organização Mundial de Saúde), publicado na revista The Lancet, a obesidade infantil atinge hoje 10 vezes mais crianças do que na década de 1970.

A prevalência de obesidade na infância aumentou de 0,7% para 5,6% entre as meninas, e de 0,9% para 7,8% entre os meninos. Em ambos os casos houve um salto expressivo que exige atenção.

É possível tratar a criança obesa por meio da reeducação alimentar e da prática de atividades físicas. Porém, se há remédios para emagrecer, então por que não complementar esse tratamento e acelerar o processo de perda de peso?

Veja no próximo item se essa medida é recomendada por especialistas ou se pode comprometer a saúde da criança.

O uso de remédios para emagrecer em crianças
Toda criança que apresenta sobrepeso precisa se consultar com um especialista para avaliação e identificação das causas desse problema. Isso porque ele pode ter origens diversas (maus hábitos alimentares, sedentarismo ou doenças genéticas ou endócrinas) e em cada caso é necessário um tipo de abordagem específica para que a criança volte a ter um peso saudável.

Como a maioria das crianças obesas ganha peso devido a fatores puramente ambientais, como sedentarismo e consumo de alimentos hipercalóricos, o principal tratamento é a reversão desses hábitos e os medicamentos para emagrecer são utilizados como último recurso.

Assim, os medicamentos para emagrecer até podem ser uma alternativa, mas só devem ser usados em situações específicas, com muita cautela, sob acompanhamento médico e de preferência após o início da adolescência.

Alguns especialistas prescrevem a substância orlistat, que reduz a absorção de gordura pelo intestino, a partir dos 12 anos de idade e após os 14 anos, a sibutramina, que aumenta a sensação de saciedade e favorece a perda de peso. Mas esses medicamentos também podem provocar alguns efeitos colaterais como:

aumento da pressão arterial;
dor de cabeça;
boca seca (xerostomia);
insônia;
vertigem;
elevação da frequência cardíaca;
diarreia ou constipação intestinal;
cólicas abdominais;
flatulência;
hipoglicemia.
É importante ter em mente que o tratamento com remédios para emagrecer é diferente entre crianças, adolescentes e adultos e entre cada indivíduo. Apenas o médico é quem pode indicar o remédio ideal e sua dosagem segura para cada pessoa, levando em consideração contraindicações e interações medicamentosas.

Leia também: Kifina 

Tudo isso reforça ainda mais a necessidade de buscar alternativas para prevenir e tratar a obesidade.

Tratamentos saudáveis e seguros para a obesidade infantil
Como dito, antes de adotar o tratamento à base de remédios para emagrecer, são sugeridas medidas que auxiliem as crianças a perderem o peso corporal de uma forma mais saudável, de modo que elas consigam eliminar a gordura e exercitar o organismo ao mesmo tempo.

Esse tratamento não-medicamentoso tem como base uma alimentação saudável e equilibrada, a realização de brincadeiras ao ar livre e a prática de algum esporte – atividades que além de tratar a obesidade ajudam a preveni-la.

Veja a seguir algumas sugestões e os impactos positivos que elas oferecem para o organismo e a qualidade de vida das crianças:

Reeducação alimentar
É essencial mudar o cardápio da criança para que ela possa ingerir cada vez mais fibras, vitaminas, carboidratos integrais e gorduras saudáveis e cada vez menos carboidratos refinados e gorduras saturadas ou trans.

Porém, essa reeducação alimentar deve ser parte do dia a dia de toda a família, para que ela seja mais natural para criança e não seja percebida como algum tipo de punição.

Natação
Essa é uma atividade completa que trabalha todos os grupos musculares do corpo e ajuda na queima calórica. Além disso, estimula o sistema cardiovascular e favorece o desenvolvimento físico. Pode ser praticada desde os primeiros meses de vida do bebê.

Dança
As crianças podem se divertir e ao mesmo tempo exercitar-se ao praticar aulas de dança. Por ser uma atividade aeróbica, a dança provoca a queima de muitas calorias e trabalha a musculatura de todo o corpo. Há diversos estilos que podem ser praticados por meninos e meninas de todas as idades.

Tênis
Essa modalidade é muito ativa e exige rapidez, concentração e resistência física. Por isso, favorece o gasto calórico e ajuda a controlar o peso corporal. Pode ser praticada em escolas que oferecem esse esporte ou clubes.

Jogos coletivos
Os jogos coletivos beneficiam as crianças de várias maneiras, porque além de melhorarem a saúde e controlarem o ganho de peso, contribuem para a socialização, o respeito a regras e o desenvolvimento da inteligência emocional. Esses esporte incluem modalidades como futebol, vôlei, basquete e handebol.

Capoeira
Essa atividade é uma dança que simula movimentos de luta e faz parte da cultura brasileira. Exige equilíbrio, força, agilidade e flexibilidade e por isso é uma ótima alternativa para a criança se divertir e trabalhar o corpo de diversas maneiras, além de proporcionar o contato com elementos culturais do nosso país e socializar com outras pessoas.

Skate
A prática do skate é considerada um esporte radical, sendo recomendada a partir dos 7 anos, quando a criança já desenvolveu uma maior consciência corporal. Treina o equilíbrio e a coordenação motora.

Ciclismo
Essa atividade pode ser estimulada desde muito cedo, presenteando a criança com triciclos e bicicletas infantis e estimulando a prática do ciclismo de forma lúdica, no quintal de casa, em praças, parques, clubes e ciclovias. Andar de bicicleta é um exercício aeróbico que estimula o equilíbrio, queima calorias e tonifica a musculatura.

Escalada
Esse é mais um esporte radical que promove o fortalecimento muscular bem como o equilíbrio. É indicado para crianças a partir de 7 anos e deve ser realizado sempre com supervisão de um adulto e o uso de equipamentos de segurança.

Lutas
As lutas e artes marciais também ajudam a controlar o peso corporal e não estimulam a violência, pelo contrário. A prática desse tipo de esporte ensina o respeito, a disciplina, desenvolve a inteligência emocional, a empatia e a socialização.

Leia também: Kifina preço

Vale lembrar que todas essas atividades são mais prazerosas para a criança quando praticadas em companhia dos pais, dos irmãos, de outros membros da família ou de amigos. Assim a criança se diverte ao mesmo tempo que se exercita e mantém sua qualidade de vida e bem-estar.

A prevenção e o tratamento da obesidade infantil com atividades físicas e um melhor controle do cardápio são as melhores opções para a saúde das crianças. Os remédios para emagrecer devem ser usados apenas em casos de obesidade de difícil controle, sob prescrição e acompanhamento médico especializado.

A obesidade infantil tem crescido, e cabe aos adultos evitar que isso continue. Então, compartilhe essas informações em suas redes sociais e contribua com essa conscientização.

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *