Saiba a melhor forma de reverter a disfunção erétil

Adoção de um estilo de vida mais saudável é recomendado em um terço dos casos

Ao atrair milhares às farmácias do país e vender mais de 2,4 milhões de unidades em seis meses, uma pilulazinha azul evidenciou um tipo de problema que a população masculina insistia, por constrangimento, em manter silenciado. Quase 17 anos depois do lançamento do Viagra, os medicamentos para disfunção erétil ainda são lembrados como a principal forma de tratamento pelos brasileiros – 25 milhões deles sofrem da doença. O que a maioria não sabe é que, em cerca de um terço dos casos, a impotência, que tanto abala a autoestima e desonra o clichê machista da virilidade, pode ser revertida com a simples adoção de um estilo de vida mais saudável.

Leia também: Viagra Natural é bom

Foi o que apontou uma pesquisa realizada no Centro de Saúde Masculina da Fundação Freemansons, da Universidade de Adelaide, na Austrália, com dados que foram corroborados pelos especialistas do Brasil ouvidos pela reportagem. Perder peso, comer melhor, abolir o sedentarismo, ter boas noites de sono, deixar o cigarro de lado e diminuir a ingestão de bebidas alcoólicas são hábitos que podem ajudar a resolver falhas de ereção. O problema nem sempre é tão embaixo.

Entre os jovens, por exemplo, muitos dos casos de impotência sexual são causados por questões psicológicas como ansiedade, depressão e incertezas sobre o futuro profissional. Nos mais velhos, a disfunção erétil pode ser consequência, se não do avanço da idade, de condições mais sérias de saúde, como diabetes, obesidade, câncer de próstata e problemas cardiovasculares.

– É preciso consertar esses “erros” no indivíduo antes de apelar para remédios orais contra a disfunção erétil. No caso dos jovens, às vezes apenas a terapia é suficiente. Uma pessoa com excesso de peso, por exemplo, tende a ter problemas de circulação e, por conta disso, a ter uma vida sexual de má qualidade. Corrigir a alimentação é uma maneira de tentar recuperar a função sexual naturalmente – afirma o urologista Sergio Iankowski, autor do livro “Ereção e Falha, Falhou Por Quê?”.

Não conseguir manter o pênis rígido é o medo máximo do homem brasileiro. Força de expressão? Não. Um estudo encomendado pela Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) demonstrou que esse receio é maior do que o de ser traído, perder o emprego ou até mesmo sofrer um assalto.

Entre os problemas de saúde, o temor de ficar impotente só perde para o medo de ter câncer. A pesquisa ouviu 3,5 mil homens com mais de 40 anos, em sete cidades do país.

– Os homens associam a ereção ao estereótipo da masculinidade, o que gera um grau muito grande de autocobrança. Se existe falha, é comum que, abalados psicologicamente e no afã de sanar logo o problema, procurem os medicamentos – diz o especialista em urologia Raphael Moreira, médico do Hospital Samaritano, em São Paulo.

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *